domingo, 16 de outubro de 2011

Novas descobertas na cidade de TANIS no Egito

Foram encontradas ruínas de 17 pirâmides do Egito antigo sob as areias que cobrem a antiga necrópole de Saqqara, uma equipe de cientistas conseguiu vê-las em infravermelho, em imagens de satélite. As descobertas são sensacionais e incluem a disposição de três mil casas numa cidade perdida. Os tesouros arqueológicos estavam enterrados havia séculos, escondidos do olhar humano por camadas de areia ou cobertos por incontáveis depósitos das lamas do Nilo. Esquecidos pela história, esperavam apenas a sorte de um arqueólogo. Napoleão Bonaparte tinha feito pesquisas no site no final de 1700, mas depois, no início de 1800, a maior parte do trabalho em Tanis resumia-se a uma coleção de estátuas desenterradas. Jean-Jacques Rifaud levou duas grandes esfinges de granito cor de rosa para Paris, onde se tornaram uma parte da coleção do Louvre. Outras estátuas foram levadas para São Petersburgo e Berlim. Henry Salt e Bernardino Drovetti encontrou onze estátuas, algumas das quais também foram enviadas para o Museu do Louvre, e também para Berlim e Alexandria, embora aquelas enviadas para Alexandria tenham sido perdidas.





Uma nova técnica de análise de imagens de satélite por infravermelho, que detecta a energia térmica, permitiu a uma equipe de cientistas da Universidade do Alabama a descoberta de mais de mil túmulos egípcios, incluindo 17 pirâmides desconhecidas, além de três mil habitações. As imagens mostram um mapa detalhado da cidade perdida de Tanis, no norte do Egito, cuja dimensão era até agora desconhecida.







Tanis já pode ser considerada a mais importante descoberta arqueológica ao norte do Delta do Egito ou pelo menos uma das maiores e mais impressionantes. No entanto, é caracterizada por uma eclética reutilização de materiais que foram usurpados de outros locais e reinados anteriores. Tanis era na verdade seu nome grego. Dizem-nos que o seu antigo nome egípcio era Djanet. Tanis foi construída sobre o rio Nilo distributário conhecido como Bahr Saft, que agora é apenas um pequeno córrego assoreado que deságua no Lago Manzalla.






Fonte: Touregypt



Nenhum comentário:

Postar um comentário